InícioMundoMembros da ultradireita alemã são acusados de apoiar Putin

Membros da ultradireita alemã são acusados de apoiar Putin

Viagem à Rússia e a região no leste da Ucrânia ocupada por Moscou de legisladores da AfD gera críticas até de dos próprios correligionários; políticos alegam querer ver a situação humanitária na área

Políticos do partido de ultradireita alemão que estão em visita à Rússia e planejam viajar para áreas no leste da Ucrânia ocupadas pelos russos foram acusados de apoiar a guerra de Vladimir Putin.

Os cinco políticos do Alternativa para a Alemanha (AfD) disseram que seu objetivo é “ver por nós mesmos a situação humanitária in loco”, mas foram solicitados a fornecer detalhes sobre a visita à liderança do partido, que aparentemente não sabia nada sobre a visita.

O vice-líder da AfD, Peter Boehringer, disse que a viagem não estava ocorrendo em nome do partido. “Nós não apoiamos esta viagem”, disse o colíder da AfD Tino Chrupalla nesta terça-feira (20/09) em Berlim. Ele sublinhou que nem ele nem a colíder Alice Weidel sabiam da viagem. Weidel falou em uma “viagem privada” que não foi acordada com o partido. “A viagem também não representa a posição da AfD”, frisou.

Três políticos da delegação são membros de assembleias legislativas estaduais, dois da Saxônia-Anhalt e um da Renânia do Norte-Vestfália.

Em um comunicado publicado em suas contas no Facebook e no Telegram, Christian Blex, da AfD na Renânia do Norte-Vestfália, um dos membros da delegação, postou um broche mostrando uma bandeira alemã e uma russa entrelaçadas.

Hans-Thomas Tillschneider, colíder da AfD de Saxônia-Anhalt, e Daniel Wald, também membro da assembleia legislativa do mesmo estado, divulgaram um comunicado enfatizando que fazem a viagem porque querem “ver por seus próprios olhos”. Eles acusaram a “mídia pró-governo alemão” de ter uma cobertura “altamente unilateral e incompleta” sobre a situação humanitária das pessoas na região de Donbass.

“Pérfido”

O jornal berlinense TAZ chamou de “especialmente pérfido” – à luz dos recentes relatos de valas comuns descobertas perto de Izium, cidade retomada pelos ucranianos – que os políticos tenham classificado sua visita à área ocupada pelas forças russas como viagem de investigação humanitária.

O Robert Lansing Institute, baseado nos EUA, que se descreve como uma organização de pesquisa de políticas públicas apartidária e sem fins lucrativos, afirmou que a viagem está ocorrendo sob os auspícios do serviço secreto militar russo, cujos membros estariam acompanhando os políticos alemães ao Donbass. O instituto foi o primeiro a divulgar a informação.

O embaixador ucraniano na Alemanha, Andriy Melnyk, acusou os políticos da AfD, em mensagem no Twitter, de “apoiar a guerra de aniquilação” com a planejada visita a áreas ocupadas pelos russos no leste da Ucrânia.

“Traição à pátria”

O chefe da bancada parlamentar do Partido Liberal Democrático (FDP) em Renânia do Norte-Vestfália, Henning Höne, se disse chocado. “Para mim, tal ação equivale a traição à pátria”, afirmou, ressaltando que uma viagem às áreas ocupadas pelos russos do leste ucraniano “não é possível sem contatos com o serviço secreto russo”.

“Tudo isso mostra de que lado a AfD está – no de Putin”, disse a integrante da bancada do Partido Social-Democrata (SPD) no Parlamento alemão Katja Mast. “Tais viagens prejudicaram a reputação e os interesses da Alemanha massivamente. Danificar a Alemanha é o objetivo da AfD. Isso foi, é e continuará sendo assim.”

Histórico de apoio ao Kremlin

A AfD tem um histórico de apoio a Putin e, como numerosas siglas europeias de ultradireita, alguns de seus principais políticos mantêm laços com Moscou.

A oposição de Putin a organizações ocidentais como a Otan e a União Europeia se encaixa bem com a forte base eleitoral da AfD no Leste da Alemanha, que é cética quanto à filiação à UE e cujos laços históricos incluem resquícios de empatia cultural com a Rússia.

Entretanto, os líderes partidários nacionais da legenda aderiram desde o início à condenação da invasão russa, enquanto algumas figuras regionais influentes têm se mostrado ambivalentes quanto ao assunto.

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Este site é protegido pelo reCAPTCHA e a Política de Privacidade e os Termos de Serviço do Google se aplicam.

Últimas Notícias

Publicidadespot_img
WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE