InícioMundoPolíticos russos se revoltam contra Putin e se unem em oposição ao...

Políticos russos se revoltam contra Putin e se unem em oposição ao presidente

Os fracassos da guerra contra a Ucrânia seria o pano de fundo

Os fracassos militares da Rússia na guerra com a Ucrânia estão provocando uma nova oposição ao presidente Vladimir Putin, de acordo com dois políticos locais que estão se posicionando contra ele.

A falta de uma vitória rápida, a incapacidade de tomar Kiev e agora as bem-sucedidas contraofensivas da Ucrânia, enquanto a Rússia perdeu tantas tropas e tantos equipamentos, gerou raiva e descontentamento nos oponentes de Putin.

“Há um ponto em que grupos liberais de pessoas e grupos pró-guerra podem ter o mesmo objetivo. O objetivo pode ser que Putin renuncie”, disse Dmitry Palyuga, um político local em São Petersburgo, cidade natal de Putin, que pediu o impeachment do presidente.

Embora liberais como ele tenham se oposto à invasão da Ucrânia por motivos humanitários e legais, Palyuga disse à CNN que agora vê uma abertura para obter mais apoio.

“Queríamos atingir algumas pessoas que apoiaram Putin antes e agora se sentem traídas”, disse ele.

“O exército russo está sendo destruído agora. Então, perdemos pessoas, perdemos armas e perdemos nossa capacidade de defesa. Nem mesmo a propaganda russa pode esconder que (o) exército russo está sendo derrotado na Ucrânia”.

Criticar o Kremlin pode ser uma tarefa difícil na Rússia de Putin.

Seu crítico mais veemente, o líder da oposição Alexey Navalny, foi envenenado e depois preso. Outro adversário político, Boris Nemtsov, foi baleado nas costas por pistoleiros que não revelaram quem os enviou. O escritor e político Vladimir Kara-Murza está na prisão depois de falar contra a invasão da Ucrânia, uma vítima do Kremlin que reforça ainda mais o controle da liberdade de expressão após o lançamento do que a Rússia chama de “operação militar especial” e não de guerra.

Palyuga disse que os mais novos críticos de Putin estão sendo muito cuidadosos em permanecer dentro da letra da lei.

Ksenia Thorstrom, uma deputada municipal ou vereadora também em São Petersburgo, comprou essa abordagem. “Uma das coisas que [um] deputado municipal pode fazer é fazer essa declaração pública”, disse.

“Nós realmente não temos autoridade ou poder para fazer nada – mesmo em nível local, somos muito contrariados pelo “Yedinaya Rossiya” (partido Rússia Unida de Putin). Mesmo iniciativas simples como ciclovias, por exemplo, estão contra nós. “Nenhuma das minhas iniciativas foi aceita. Mas posso fazer as declarações públicas e foi o que fiz”.

Thorstrom circulou sua própria versão da petição de Palyuga para colegas legisladores e agora tem dezenas de assinaturas, disse ela.

Os problemas não estavam apenas na Ucrânia com os militares, disse ela, mas também tinham um impacto dentro da Rússia. “Os russos ficaram pobres, não são bem-vindos em nenhum lugar. Depois, há menos instalações, suprimentos”, disse ela.

“Agora as pessoas ficariam mais pobres e mais infelizes. E não sei qual pode ser o futuro para o país que está isolado”. 

Algumas reações foram uma surpresa

Thorstrom sabe por experiência própria que Putin ainda tem muito apoio. Ela disse que sua própria mãe acredita na propaganda do Kremlin e está vivendo em “alguma realidade paralela onde Putin está tornando a Rússia grande novamente”.

“Ela acredita em nazistas na Ucrânia”, disse ela sobre sua mãe. “Ela acredita que (o) Ocidente quer prejudicar a Rússia porque (o) Ocidente precisa de recursos russos, (que) o Ocidente não quer que a Rússia seja forte”.

Thorstrom disse que achava que Putin era irracional, mas ainda esperava que ele pudesse concordar ou ser persuadido a deixar o poder. Ela disse que estava feliz em assumir um papel público contra a permanência de Putin no poder, em parte porque ela já havia deixado a Rússia.

Thorstrom está atualmente seguro na Finlândia, que junto com a Suécia concluiu as negociações para ingressar na OTAN após a invasão da Ucrânia.

Palyuga não deixou a Rússia e reconhece que corre algum risco por se manifestar. Ele já foi acusado de desacreditar as autoridades sob uma lei aprovada em março, mas a decisão do tribunal de multá-lo apenas cerca de US$ 700 o fez se sentir melhor. “Talvez sejamos apenas políticos muito, muito pequenos no âmbito da Rússia. Então talvez seja por isso que não estamos tão preocupados em ser envenenados ou algo assim”, disse ele.

Ainda assim, a falta de uma reação séria mesmo às denúncias de servidores públicos de baixo escalão é incomum, embora o Kremlin tenha alertado que a linha entre o debate aceitável e as críticas ilegais é “muito tênue”.

Embora Palyuga não tenha nenhuma expectativa de que os políticos nacionais dentro da Duma, o parlamento russo controlado por Putin, assumam sua causa, ele já afirma ter algum sucesso. “Queríamos mostrar às pessoas que elas não estão sozinhas, que existem outras pessoas e até vereadores que são contra esta operação militar e contra Putin e queremos unir as pessoas e dar-lhes alguma esperança”, disse ele.

Desde que pediu pela primeira vez ao parlamento o impeachment de Putin, Palyuga disse que recebeu muitas mensagens de apoio com pessoas prometendo dinheiro para pagar multas e até oferecendo escondê-lo, se necessário. Mas o que ele não conseguiu foi a esperada torrente de ódio. “Recebi apenas duas mensagens onde as pessoas me acusavam de algumas coisas ruins”, disse ele, embora suas notícias de sua ação tenham se espalhado. “Duas mensagens é uma quantidade muito pequena de ódio e tenho muito apoio. Na verdade, eu não esperava que isso fosse acontecer assim”.

Com informações da CNN Brasil

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Este site é protegido pelo reCAPTCHA e a Política de Privacidade e os Termos de Serviço do Google se aplicam.

Últimas Notícias

Publicidadespot_img
WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE