Autor: José Marcelo | jornalistamarcelo@gmail.com
InícioColuna Ponto e VírgulaCiro Gomes chega isolado ao último dia para definir chapa

Ciro Gomes chega isolado ao último dia para definir chapa

Vice será anunciada somente nesta sexta

Empolgado inicialmente com os 9% de intenções de votos demonstrados já nas primeiras pesquisas dos principais institutos do país, o pedetista Ciro Gomes imaginava que teria um crescimento vertiginoso diante da polarização e que poderia escolher um nome de peso para compor a chapa com ele. Mas isso foi lá atrás, no começo da corrida. Ciro sonhou até em ter a emedebista Simone Tebet ao lado dele. Mas a senadora fechou com o PSDB e no fim das contas, o ex-ministro de Lula chega ao último dia do prazo para definição de chapa como o mais isolado dos candidatos e sem definir o nome de quem estará com ele na disputa pelo Palácio do Planalto.

Puro-sangue

De certo é que Ciro vai caminhar com um nome do PTD, até porque, a legenda está isolada na campanha. Como forma de valorizar a “escolha”, o PDT prefere classificar a chapa como “puro-sangue”. Como definiu um membro do União Brasil em conversa reservada com o autor da Ponto e Vírgula “Ciro fez doce, atacou demais e não aglutinou”. O presidenciável, no entanto, disse que o nome será de uma mulher e sairá nesta sexta. Mesmo porquê…

São vários fatores

O isolamento de Ciro Gomes na eleição se deve a um conjunto de fatores, na avaliação de um graduado membro da legenda no Rio, que pediu para não ter a identidade revelada. O primeiro é a personalidade tão forte quanto o próprio carisma. Em função disso, o presidenciável faz duros ataques. A estratégia de jogar tão pesado contra o ex-presidente Lula, segundo o pedetista, pode ter passado a imagem de quem cospe no prato que comeu e isso não teria sido bem interpretado pelo eleitor. Esse mesmo posicionamento teria dificultado a aglutinação de forças em vota do ex-governador do Ceará.

**

Janones cumpre o rito

Por falar em isolamentos e apoios, o deputado federal André Janones (Avante-MG) cumpriu o rito esperado e anunciou desistência de candidatura e apoio ao ex-presidente Lula, um dia antes do fim do prazo. Janones foi filiado ao PT entre 2003 e 2012 e essa portanto seria uma “volta ao berço”. Com isso, Lula amplia a rede de apoio à candidatura. Apesar da oficilaização de Simone Tebet, Lula segue costurando acordos para ter o apoio de caciques do MDB ainda no primeiro turno, assim como faz as negociações por apoio de líderes do PSD de Gilberto Kassab e do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco.

**
Damares agita o cenário

A declaração dada nesta quinta-feira pela ex-ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves (Republicanos), de que irá para o páreo nas eleições deste ano e que não seria para o mandato de deputada mexeu com os bastidores políticos de Brasília. Entre aliados do atual governador Ibaneis Rocha (MDB) a fala de Damares levantou suspeitas de que ela teria conseguido a vaga para disputar o senado novamente, em função da situação do ex-governador, José Roberto Arruda, que estava “nas mãos do STF”. É um quebra-cabeças que tem explicação a seguir.

Será só barulho?

Damares Alves era candidata ao Senado na chapa de Ibaneis, mas perdeu espaço para Flávia Arruda (PL) em um acordo para ter o marido e ex-governador José Roberto Arruda (PL) como candidato a deputado. O ex-governador queria voltar a disputar o Buriti, mas fez a aliança a contragosto. Diante do risco de inelegibilidade, o ex-governador ficaria fragilizado, Flávia perderia espaço e teria de disputar reeleição como deputada e Ibaneis puxaria Damares de volta. Um interlocutor de Flávia Arruda assegurou, no entanto, que esse risco não existe, que ela sai ao Senado com apoio de Ibaneis e do presidente Jair Bolsonaro e que Damares está “se permitindo jogar de um lado para outro”. A sexta-feira promete.

**

Ir a debate pode ser obrigatório

Enquanto os líderes nas pesquisas de intenção de votos, Lula e Bolsonaro, fazem exigências para participar de debates na televisão, o senador Alexandre Vieira (PSDB-SE) quer tornar essa participação obrigatória. O parlamentar apresentou um projeto de lei nesse sentido. Pela proposta, os candidatos perdem o direito de escolher e passam a ser obrigados a participar desse tipo de programa. Na avaliação de Vieira, os debates são importantes para garantir um processo eleitoral transparente e igualitário. Como a proposta ainda está em análise, se aprovada só entra em vigor nas próximas eleições.
**#**

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Últimas Notícias

Publicidadespot_img
WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE