InícioDFGoverno Ibaneis é pressionado a agir para conter a violência nas escolas...

Governo Ibaneis é pressionado a agir para conter a violência nas escolas do Distrito Federal

Entidade dos professores e a Câmara Legislativa pediram ações imediatas contra casos ocorridos no primeiro semestre. PCDF registrou 581 ocorrências em 126 escolas com esse tipo de vulnerabilidade social

O retorno às aulas no Distrito Federal, na última segunda-feira, 1º, quando quase 500 mil estudantes voltaram às 685 escolas de forma presencial, trouxe na mochila e na cabeça dos alunos, pais e professores, uma preocupação: a violência dentro e fora das escolas. O problema recorrente marcou o primeiro semestre letivo no DF.

De acordo com levantamento da Polícia Civil (PC-DF), até abril de 2022, foram registradas 581 ocorrências em ambiente escolar. Furto, ameaça e lesão corporal estiveram entre os crimes mais frequentes.

Outro estudo da Secretaria de Educação, divulgado em marco deste ano, mostrou que o Distrito Federal tem 126 escolas públicas com maior vulnerabilidade a casos de violência. São unidades que ficam em São Sebastião, Ceilândia e Plano Piloto.

Ao ser informado do levantamento, o governador Ibaneis Rocha disse que a segurança nas escolas públicas do Distrito Federal deve ser reforçada, mas reconheceu que é inviável alocar policiais militares em todas as 686 unidades da rede.

“É impossível hoje, com o número de policiais. Trabalhei desde o primeiro dia do meu governo formando turmas de policiais, não temos condições de colocar um policial em cada uma das escolas”, disse o governador.

Um dos casos que marcaram o primeiro semestre letivo foi o que ocorreu no Centro Educacional (CED) 1 da Estrutural. No dia 6 de maio, o adolescente Victor Samuel, de 15 anos, recebeu voz de prisão de um policial militar.

O estudante participava de um protesto contra a saída da vice-diretora e teria xingado o tenente da PMDF. Um vídeo divulgado por alunos mostra o PM ameaçando “arrebentar” dois alunos da escola.

Pedido de providências

As Comissões de Educação e de Direitos Humanos, da Câmara Legislativa (CLDF), pediram informações e providências da Secretaria de Educação sobre o caso.

Na volta do recesso parlamentar, também iniciado em 1º de agosto, a SEE-DF respondeu à Câmara Legislativa que foi feito todo o acompanhamento e gestão quanto ao Centro Educacional 01 da Estrutural.

“De forma célere e cuidadosa, foram feitas visitas presenciais e reuniões junto às lideranças da gestão pedagógica e disciplinar, por tratar-se de uma Unidade Escolar de gestão compartilhada, além do registro em processos sigilosos”, diz o documento encaminhado à CLDF.

Estudante é ameaçada com arma em frente à escola. Casos como esse marcaram o primeiro semestre letivo de 2022. Foto/reprodução

Serenidade e ressignificação

A Secretaria de Educação informou também que a equipe de policiais, que agrediu o estudante, já foi substituída, tendo sido registradas e encaminhadas às informações pertinentes à Secretaria de Segurança Pública.

“Vale ressaltar que após as adequações e substituições que ocorreram tanto no âmbito disciplinar quanto pedagógico, a unidade escolar (CED 1 da Estrutural) tem vivido momentos de maior serenidade e ressignificação dos papéis e funções de cada gestão, proporcionando assim um resgate das normas coletivas, estabelecidas no Regimento Interno da UE, referentes à Gestão Compartilhada”,  

Às comissões de Educação e Direitos Humanos foi informado ainda que a subsecretaria de Educação Básica/SEE, juntamente com a Subsecretaria de Escolas de Gestão Compartilhada/SSP estão acompanhando diretamente as ações relacionadas às unidades escolares cívico-militares de gestão compartilhada sobretudo, o Centro Educacional 01 da Estrutural.

Ausência do Estado

A diretora do Sindicato dos Professores do Distrito Federal (Sinpro-DF), Letícia Mondandon, reafirma a preocupação com a violência nas escolas tanto do ensino público quanto privado.

Segundo ela, o agravamento dos casos do primeiro semestre ocorreu pela ausência do governo, do Estado, do diálogo nas escolas e políticas públicas eficazes tanto na área da educação quanto da segurança pública.

“Faltam professores efetivos, pois hoje 40% do quadro de pessoal é temporário o que trouxe a precarização do sistema. O GDF também acabou com o Batalhão Escolar e agora inventou essa história de militarização para cuidar do ambiente escolar.

A nossa recomendação é a volta do diálogo aberto com a comunidade escolar, com os pais, por meio da gestão democrática nas escolas; concurso público para completar o quadro de pessoal e que o Estado volte a prover e cuidar do ensino no Distrito Federal”, disse Letícia Mondandon.

Plano de urgência e paz

Ao ser questionada pelo Mais Brasil News sobre as providências que estão sendo tomadas para conter a violência nas escolas do DF, a Secretaria de Educação respondeu que, em março deste ano, lançou o Plano de Urgência pela Paz nas Unidades Escolares do Distrito Federal  e ele já está funcionando nas 126 escolas onde foi detectado o maior número de casos de brigas e agressões entre os alunos, que são mantidas em sigilo.

Entre as ações que teriam sido implementadas pelo plano estão:

  • Distribuição para todas as escolas da rede pública do Caderno de Convivência Escolar e Cultura de Paz;
  • Criação de um canal direto entre os CRE’s e a Polícia Militar;
  • Reforço do efetivo do Batalhão Escolar;
  • Operação de revista nas portas das escolas e nas salas de aula, sempre que for solicitado pelos diretores;
  • Prosseguimento do programa de Saúde Escolar (nacional), que previne desde a proliferação do mosquito da dengue até o uso de drogas e álcool;
  • Implementação em todas as regionais de ensino do programa Práticas Integrativas de Saúde (PIS).
  • Roda de conversa;
  • Projeto Jovens Líderes CRE Santa Maria.

Batalhão Escolar

A Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal (SSP/DF) informou que a Polícia Militar do DF, por meio do Batalhão Escolar, vem reforçando a segurança nas unidades de ensino, sobretudo em 126 escolas definidas como prioritárias, pela Secretaria de Educação.

Entre os dias 1º e 5 de agosto, o Batalhão de Policiamento Escolar da PMDF estará realizando a “Operação Volta às Aulas”. Entre as ações a serem desenvolvidas está a “Escola livre” — contra a entrada de alunos com armas ou drogas nas escolas —, varredura, bloqueio e blitz escolar.

Os policiais vão intensificar o policiamento a pé e motorizado e distribuir folders com dicas de segurança aos alunos.

“Os setores de inteligência da SSP/DF e das forças de segurança atuam, ainda, no monitoramento de redes sociais para orientar ações preventivas. Além disso, a Polícia Militar do DF, por meio do Batalhão Escolar, segue reforçando a segurança nas unidades de ensino. Para efetividade das medidas é inquestionável o envolvimento de toda a sociedade, incluindo as famílias dos estudantes e demais membros da comunidade escolar”, diz a SSP.

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Últimas Notícias

Publicidadespot_img
WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE