InícioBrasilDólar recua 0,35% e fecha a R$ 5,2344 com commodities em alta

Dólar recua 0,35% e fecha a R$ 5,2344 com commodities em alta

Com sucessivas mínimas no início da tarde, desceu até R$ 5,2027

Depois de uma manhã de volatilidade, o dólar à vista se firmou em baixa ao longo da tarde e encerrou a sessão desta segunda-feira, 27, em queda de 0,35%, cotado a R$ 5,2344. Sem indicadores domésticos de peso, o mercado trabalhou ao sabor do comportamento da moeda norte-americana no exterior, de fluxos pontuais (financeiros e comerciais) e de ajustes de posições no mercado futuro, em semana marcada pela definição da última Ptax de junho.

Na máxima, na primeira hora de negócios, o dólar varou o teto de R$ 5,25 e correu até R$ 5,2756. Com sucessivas mínimas no início da tarde, desceu até R$ 5,2027.

Segundo operadores, a retomada do apetite por ativos ligados a commodities com sinais de reabertura da economia chinesa após surto recente de covid-19 acabou se sobrepondo ao aumento da percepção de risco fiscal doméstico, em grande parte já incorporado aos preços dos ativos. O minério de ferro subiu 4,17% no porto chinês de Qingdao e o Banco do Povo da China (PBoC), na sigla em inglês) prometeu seguir com política monetária frouxa para apoiar a economia.

Além disso, comenta-se que a perda de fôlego da moeda norte-americana frente a pares fortes abriu espaço para uma realização de lucros e desmonte de posições defensivas. O dólar vem de quatro semanas seguidas de alta ante o real – período em que saltou do patamar de R$ 4,80 para mais de R$ 5,20 – e marca valorização superior a 10% no mês.

“Existe muito receio com a desaceleração da economia global. Esse sinal positivo da China melhora o ambiente para commodities e acaba se refletindo na taxa de câmbio”, afirma o diretor de produtos câmbio da Venice Investimentos, André Rolha. “O real foi muito castigado pela questão do risco fiscal com o pacote de bondades do governo. Os ataques à Petrobras também machucaram bastante o sentimento do investidor.”

A novela na troca de comando da Petrobras teve mais um capítulo nesta segunda à tarde com a aprovação, pelo Conselho de Administração da empresa, do nome de Caio Mario de Andrade, egresso da equipe econômica do ministro Paulo Guedes, para a presidência. No campo fiscal, o relator da PEC dos Combustíveis, senador Fernando Bezerra (MDB), adiou a apresentação de seu parecer para a terça-feira, 28, às 11 horas.

Apelidado de “pacote do desespero” nos bastidores, a PEC traz ampliação do Auxílio Brasil (de R$ 400 para R$ 600), aumento do vale gás e voucher de R$ 1 mil para caminhoneiros – medidas com impacto fiscal estimado em R$ 34,8 bilhões fora do teto de gastos.

Estados como São Paulo e Goiás anunciaram redução do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre combustíveis, na esteira da sanção pelo presidente Bolsonaro, na sexta-feira, de lei que estabelece teto para a cobrança do imposto estadual sobre combustíveis, energia elétrica, comunicações e transporte. A redução tributária tem mão dupla: traz alívio na inflação deste ano, mas pode comprometer a arrecadação de Estados e, por tabela, as contas públicas.

Para o diretor da Venice, a chamada questão fiscal deve continuar a permear os negócios no mercado de câmbio e pode exacerbar a volatilidade à medida que as eleições presidenciais se aproximem. Ele trabalha com uma faixa ampla para oscilação do dólar nas próximas semanas (entre R$ 4,95 e R$ 5,25), dado o grau de incertezas aqui e no exterior. “Não acredito que os ativos estejam precificando 100% o período eleitoral, mas acho que o real pode vir para R$ 5 no curto prazo. Temos os fundamentos das commodities e a taxa de juros pode subir mais e se aproximar de 14%, o que estimula o carry trade”, diz.

No exterior, o índice DXY – que mede o desempenho do dólar frente a uma cesta de seis divisas fortes – trabalhou em queda, abaixo dos 104,000 pontos, sobretudo em razão de perdas frente ao euro. Mesmo assim, segue no maior patamar em 20 anos. O dólar apresentou desempenho misto na comparação com divisas emergentes e de países exportadores de commodities, subindo frente a pares do real como peso mexicano e o rand sul-africano.

O Citi avalia, em relatório, que o quadro global está se tornando cada vez mais desafiador para a moeda brasileira. Por ora, os preços “ainda elevados” impedem uma depreciação mais significativa da taxa de câmbio. Contudo, alerta o Citi, quanto mais os países desenvolvidos avançarem no aperto monetário, “menos amigável” fica o ambiente para o real. “Perspectivas de preços de commodities mais baixos à frente podem exacerbar esse impacto. Adicionalmente, as incertezas ligadas à política fiscal podem aumentar à medida nos aproximamos da eleição presidencial”, afirma o Citi que trabalha com taxa de cambio de R$ 5,25 no fim do ano.

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Últimas Notícias

Publicidadespot_img
WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE