InícioBrasilEm um ano, mortes violentas contra pessoas LGBTQIA+ aumentam 33,3%

Em um ano, mortes violentas contra pessoas LGBTQIA+ aumentam 33,3%

Os dados são de 2021 e foram divulgados um mês antes do mês do Orgulho LGBTQIA+

Em junho é comemorado o mês do Orgulho LGBTQIA+, mas o ano passado não foi motivo de orgulho para a comunidade.

Segundo o último Dossiê de Mortes e Violências contra LGBTI+ no Brasil, o país registrou pelo menos 316 mortes violentas contra a comunidade em 2021.Os números representam um aumento de 33,3% quando comparados a 2020, que teve 237 mortes.

A expectativa de vida de pessoas trans é de 35 anos de idade.

Perfil dos casos

As vítimas tinham entre 13 e 67 anos. O maior grupo atingido estava dentro da faixa etária de 20 a 29 anos (96 casos que representam 30,38%) e o segundo maior era entre pessoas de 30 a 39 anos (68 casos que presentam 21,52%).

Do total de mortes, 145 mortes foram contra homens gays (45,89%), 141 contra mulheres trans e travestis (44,62%), 12 casos contra mulheres lésbicas (3,80%), 8 mortes de homens trans (2,53%) e 3 casos contra pessoas bissexuais (0,97%) ou de outros segmentos (0,95%).

Os crimes foram divididos entre 262 homicídios (82,9% dos casos), 26 casos de suicídio (8,23%), 23 latrocínios (7,28%) e 5 mortes por outras causas (1,58%). Destes crimes, 47,78% foram praticados em ambientes privados, porém mais de 42,72% dos casos foram em espaço público. Quase metade dos crimes (48,1%) foram praticados à noite.

A maior causa de mortes foi por esfaqueamento, com 91 casos (28,80%), em seguida, vem 83 casos de mortes envolvendo armas de fogo (26,27%).

Cerca de 40,19% das vítimas eram pessoas brancas (127 casos), 35,44% eram pretas ou pardas (112 casos), 1 vítima era indígena e o restante dos casos (76 vítimas, equivalente a 24,05%) não foram informados.

O Nordeste é a região brasileira que registrou o maior número de casos absolutos – com 116 casos – e o Estado campeão de mortes contra a comunidade é São Paulo, com 42 casos registrados. Mas o Estado com maior número de mortes por milhão de habitantes é o Distrito Federal, com uma taxa de 2,15 mortes por milhão de habitantes.

Legislação

Em 2019, o Supremo Tribunal Federal (STF) enquadrou a homofobia e a transfobia como semelhante ao crime de racismo (Lei nº 7.716 de 1989). A medida foi tomada às pressas, já o crime de racismo é inafiançável e impede que a pessoa que cometeu o crime seja liberada antes de completar a pena.

A medida permanecerá assim até que o Congresso Nacional aprove uma lei específica contra a homofobia. Atualmente, a pena é de 1 a 3 anos e pagamento de multa, que terá o valor decidido pelo juiz a depender da gravidade

Se o caso envolver exposição pública, como o agressor publicar a violência em redes sociais, a pena será ampliada de 2 a 5 anos com o pagamento de multa.

Dossiê

Os documentos foram produzidos e divulgados pelo Observatório de Mortes e Violências contra LGBTI+ no Brasil. O observatório foi criado para contabilizar estatísticas voltadas para LGBTFobia no Brasil, já que esses dados não são específicos no IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

A página é uma parceria com os movimentos Acontece LGBTI+, ANTRA (Associação Nacional de Travestis e Transexuais) e ABGLT (Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Intersexos).

Os documentos levantam dados através de notícias divulgadas por diversos veículos da imprensa, portanto esse número deve ser ainda maior já que muitos casos não foram divulgados pela mídia.

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Últimas Notícias

Publicidadespot_img
WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE