InícioMundoBC europeu diz que Ômicron tirou força da economia da UE, mas...

BC europeu diz que Ômicron tirou força da economia da UE, mas não deve deteriorar a recuperação

Pelas estimativas do BCE, a economia do bloco retornará o nível pré-pandemia já no primeiro trimestre deste ano

O vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE), Luis de Guindos, afirmou nesta quinta-feira, 13, que a atividade econômica na zona do euro perdeu ímpeto no final de 2021, em meio à disseminação da variante Ômicron do coronavírus, que provocou uma escalada de casos da doença em vários países.

Em evento organizado pelo UBS, Guindos explicou, no entanto, que a cepa não deve deteriorar a recuperação e projetou que o Produto Interno Bruto (PIB) crescerá mais de 4% em 2022. Pelas estimativas do BCE, a economia do bloco retornará o nível pré-pandemia já no primeiro trimestre deste ano.

O dirigente admitiu que a inflação na região não deve desacelerar no ritmo previsto anteriormente, devido à persistência de gargalos de oferta e ao avanço dos preços de energia. De qualquer maneira, ele acredita que os índices de preços ficarão abaixo da meta de 2% em 2023 e 2024. “A inflação cairá com certeza, mas a grande incerteza será relativa à evolução dos preços de energia”, comentou.

Guindos acrescentou que, nos últimos meses, os riscos à estabilidade financeira da zona do euro diminuíram, na esteira da melhora econômica. No entanto, ele ainda vê vulnerabilidades nessa área, particularmente com o alto nível de endividamento de empresas e governos e incertezas no setor financeiro não bancário.

Juros

Luis de Guindos reiterou, no evento virtual, que a autoridade monetária não elevará juros enquanto estiver comprando ativos. Também afirmou que a sobrevalorização no mercado imobiliário residencial tem aumentado na zona do euro nos últimos meses. Segundo ele, as autoridades europeias estão preparadas para utilizar políticas macroprudenciais com o objetivo de conter esse movimento.

O dirigente reforçou ainda que “com certeza” a inflação na região cairá, mas reconheceu os riscos no horizonte, particularmente a chance de que haja efeitos secundários. “Riscos para inflação na zona do euro estão levemente apontados para cima”, disse.

Boletim

A Ômicron deverá gerar maior volatilidade do crescimento econômico global, mas o impacto exato da variante do coronavírus ainda é muito incerto, segundo boletim econômico divulgado pelo BCE nesta quinta-feira. No documento, o banco avalia que gargalos de oferta, o avanço dos preços de commodities e a disseminação da Ômicron seguem pesando na perspectiva econômica global no curto prazo.

Ainda no boletim, o BCE aponta que o avanço do Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro está desacelerando, mas deverá se recuperar com força ao longo do ano. Na visão do BCE, os riscos à perspectiva econômica são “amplamente equilibrados”.

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Últimas Notícias

Publicidadespot_img
WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE