spot_img
InícioBrasilLira diz esperar aprovação 'tranquila' da PEC dos Precatórios na próxima semana

Lira diz esperar aprovação ‘tranquila’ da PEC dos Precatórios na próxima semana

Segundo ele, o texto da proposta está numa fase mais consolidada. A PEC precisa de 308 votos entre os 513 deputados em dois turnos de votação

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), disse nesta quarta-feira (13) que a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios vai a plenário na próxima semana e avaliou que a votação do tema resultará em uma “vitória tranquila”. “Na próxima semana, todos os prazos estarão vencidos e a gente trará a plenário. Eu acredito numa vitória tranquila dessa PEC, porque há a necessidade realmente de se organizar o orçamento do Brasil”, afirmou Lira durante entrevista à CNN Rádio no período da manhã.

E defendeu: “O Brasil não pode parar a máquina pública, não pode parar os investimentos, não pode não ter espaço para a criação do novo programa Renda Brasil e pode deixar de ter a previsibilidade nas suas finanças com relação a essa indústria de precatórios que existe.”

Segundo ele, o texto da proposta está numa fase mais consolidada. A PEC precisa de 308 votos entre os 513 deputados em dois turnos de votação. Se for aprovada no plenário da Câmara, a matéria será analisada pelo Senado, onde são necessários os votos de 49 dos 81 senadores também em dois turnos de votação.

Conselho do Ministério Público

Lira também defendeu a proposta que muda a composição do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), que, segundo o parlamentar, deve ir a plenário nesta quarta-feira. Para ele, se a PEC for aprovada, pode representar “o fim da impunidade em um órgão muito forte”.

O parlamentar pontuou que a proposta é polêmica e há muitas versões criadas por integrantes do Ministério Público. Lira afirma que um dos objetivos da PEC é fazer com que a sociedade civil tenha maior participação no CNMP, pois ele não tem funcionado para punir seus membros.

“São questões que serão decididas com transparência, mas sem versões, não é a PEC do ministro Gilmar Mendes, mas pode ser a PEC do fim da impunidade de um órgão muito forte. Hoje, nenhum membro do MP responde contra improbidade. É importante um conselho forte, com presença, para que tenhamos transparência”, afirmou.

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Publicidadespot_img

Últimas Notícias