spot_img
InícioEntretenimento45ª Mostra Internacional de Cinema de SP volta online e presencial em...

45ª Mostra Internacional de Cinema de SP volta online e presencial em 2021

Depois de um ano em formato virtual, Mostra de cinema volta de maneira híbrida

Já houve Mostras maiores, com certeza. Renata Almeida cita a de 2019, com cerca de 500 filmes. A do ano passado, em plena pandemia, teve apenas 192 títulos, quase todos apresentados online. Druk – O Último Trago, que venceria o Oscar de melhor filme internacional, foi apresentado no Ibirapuera, ao ar livre, no encerramento. “O tempo não ajudou, choveu bastante, mas nosso público permaneceu, mesmo molhado”, ela lembra. O fato de a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo ser predominantemente virtual teve seu lado positivo. Permitiu que espectadores do Brasil inteiro tivessem acesso ao evento que antes era local, paulistano. Este ano, na 45.ª edição, serão 265 filmes, de 50 países, num formato híbrido. Sessões presenciais e online.

“Nosso compromisso é sempre com o cinéfilo. Há mais de 40 anos as pessoas esperam por este momento em que a cidade vira capital do cinema e apresenta o que de mais importante foi produzido no ano, em todo o mundo”, Renata explica. Este ano, a Mostra perdeu patrocinadores importantes e até os que permaneceram restringiram as verbas. “Será uma Mostra sem convidados internacionais, um pouco por falta de recursos, mas também porque a situação na pandemia ainda não está confortável”, ela avalia. Todo ano, desde 1977, a Mostra sempre teve uma abertura solene com um filme importante. Em 2021, terá novo formato. “Vamos apresentar filmes diferentes em cada uma de dez salas que estarão sediando a Mostra. Serão sessões para convidados, para o público. A ideia é que a Mostra abrace a cidade. São Paulo – o Brasil, o mundo todo – viveu momentos terríveis no último ano e meio. Queremos celebrar o fato de estarmos vivos e de o cinema estar resistindo.”

A abertura acontece no dia 20. Os ingressos para as sessões presenciais começarão a ser vendidos no dia 18 pelo app da Mostra. Algumas coisas estão mudando, por força das circunstâncias. Nos últimos anos, a Mostra aceitava que filmes apresentados em outros festivais nacionais participassem da sessão brasileira. “Havia prêmios em dinheiro que poderiam fazer diferença no lançamento. Não era verba da Mostra, mas de parceiros e apoiadores. Mas, neste ano, o Festival de Gramado foi transmitido pelo Canal Brasil. Todos já tiveram a oportunidade de ver os filmes. Não faz sentido ficar mostrando a mesma coisa.” Para o público sedento de novidades, a Mostra de 2021 vai trazer preciosidades, como os vencedores de Cannes, Berlim, Veneza.

“Nosso compromisso sempre foi com a diversidade e a Mostra deste ano não foge à regra. Ziraldo fez um belo cartaz que inspirou nossa vinheta. Não conseguiremos fazer todos os debates que gostaríamos, nesse momento de perplexidade. Num eventual novo normal, o público voltará às salas ou elas serão privilégio do público dos blockbusters? O público de arte seguirá no streaming? A Mostra começou lutando contra a censura e hoje enfrenta nova realidade. Estamos querendo trazer o público de volta às salas, e não apenas na nossa abertura.” A Mostra, que vai até 3 de novembro, voltará a ter sessões presenciais em 14 cinemas de São Paulo e grande parte do conteúdo estará também disponível online, no Mostra Play.

Uma seleção de títulos estará, gratuitamente, nas plataformas Sesc Digital e Itaú Cultural Play. Todas as plataformas e atividades poderão ser acessadas pelo site www.mostra.org. As sessões presenciais obedecerão a rígidos protocolos de segurança contra a covid-19. A ocupação das salas ficará restrita a 50%, o uso de máscaras e o distanciamento social serão obrigatórios e o comprovante de vacinação também será exigido dos espectadores. Ainda nas sessões presenciais, haverá um intervalo de pelo menos 30 minutos entre um programa e outro, para que as salas sejam higienizadas. Os cinemas vão oferecer álcool em gel para o público. E haverá pessoal especializado para orientar a saída – para evitar aglomerações, os espectadores deixarão as salas da última fila para a primeira.

Figura mítica do cinema brasileiro, ligada a nomes destacados do Cinema Novo e do movimento underground, a atriz e diretora, autora Helena Ignez será homenageada com o Prêmio Leon Cakoff. Também haverá o lançamento do livro de Pedro Guimarães e Sandro de Oliveira, Helena Ignez – Uma Atriz Experimental. A Mostra deste ano fará um resgate visceral. “Não sei nem explicar o motivo, mas, nesses mais de 40 anos, nunca apresentamos um filme sequer de Paulo Rocha”, diz Renata Almeida. “Esse grande autor português foi assistente de Jean Renoir e adido cultural em Tóquio. É autor de um grande afresco sobre os contatos entre as civilizações, A Ilha dos Amores. Está mais do que na hora de nosso público conhecer Paulo Rocha. É o que vamos fazer, dedicando-lhe a nossa retrospectiva, com sete títulos.”

Uma grande Mostra não se faz apenas de filmes. “Pelo quinto ano consecutivo, e em parceria com o Itaú Cultural, estaremos realizando, de 27 a 30, o Fórum Mostra, para debater cinema, economia criativa e assuntos da cultura em geral, nesse momento que está sendo tão difícil para os artistas no País, e não apenas por causa da pandemia. A cultura, nesse governo federal, tem sido tratada como inimiga.” Uma bela iniciativa – em parceria com a Acnur, Agência da ONU para Refugiados, a Mostra fará sessões nos dias 22 e 23 no Museu do Imigrante, apresentando filmes como Hit the Road, Pegando a Estrada, do iraniano Jafar Panahi.

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Publicidadespot_img

Últimas Notícias