InícioPolíticaSegundo Bolsonaro, Forças Armadas participarão do processo eleitoral do próximo ano

Segundo Bolsonaro, Forças Armadas participarão do processo eleitoral do próximo ano

Presidente deu declaração a apoiadores nesta quarta-feira (6)

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira (6) a apoiadores que as Forças Armadas vão participar de todo o processo de organização das eleições de 2022 e conferência da segurança das urnas eletrônicas. A declaração foi dada em resposta a um bolsonarista que questionou se ele considerava positiva a iniciativa do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de criar uma comissão da transparência para o próximo pleito, que terá participação dos militares na fiscalização e auditoria do processo eleitoral.

“As Forças Armadas vão participar, assim como outras instituições. Elas vão acompanhar todo o processo”, limitou-se a dizer em encontro com apoiadores no Palácio do Alvorada, transmitido em um canal bolsonarista no YouTube.

O presidente tem ensaiado uma mudança de discurso em relação à lisura das eleições. Crítico da urna eletrônica e defensor do voto impresso, pautas que o levaram a uma crise institucional com o TSE, Bolsonaro elogiou a criação do comitê e evitou duvidar da segurança do processo, em entrevista recente à Veja. “Com as Forças Armadas participando, você não tem por que duvidar do voto eletrônico. As Forças Armadas vão empenhar seu nome, não tem por que duvidar. Eu até elogio o Barroso, no tocante a essa ideia”, afirmou.

Por causa da declaração, o presidente recebeu um afago na segunda-feira (4) vindo do presidente do tribunal, Luís Roberto Barroso, até então o principal destinatário de seus ataques ao sistema eleitoral. “Fico extremamente feliz que tenha se convencido que não há problemas no voto eletrônico. Melhor assim”, disse o ministro.

‘Aqui não tá muito fácil’

Bolsonaro deu uma resposta pouco animadora sobre o próprio País que governa a uma apoiadora que afirmou ter decidido deixar a Holanda e morar no Brasil. “Decidiu ficar aqui? Aqui não tá muito fácil também não”, afirmou o presidente quando a mulher disse que pretendia ficar no País. O momento ocorreu durante o tradicional encontro de Bolsonaro com apoiadores na frente do Palácio da Alvorada.

Ao falar sobre a inflação, o presidente disse também que o problema é global, e não apenas do Brasil, e voltou a culpar as medidas restritivas impostas por governantes na pandemia pela situação econômica delicada em várias nações. “Isso é resultado da política do fique em casa e depois a gente vê a economia”, criticou, após a mesma apoiadora dizer que as pessoas estão “brigando por gasolina” na Holanda.

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Publicidadespot_img

Últimas Notícias